TEMPLO MAÇÔNICO

Durante a Idade Média, os Maçons reuniam-se a céu aberto, nos canteiros de obras dos edifícios em construção.

Em sua fase especulativa, as reuniões passaram a ser realizadas em tavernas, que eram ricas cervejarias providas de quartos, cabeleireiros, salões de leitura e salas de reuniões privadas.

Somente em 1772 a Grande Loja da Inglaterra idealizou a construção do Freemason’s Hall, um edifício de uso exclusivamente maçônico, o qual foi concluído em 1776.

O Templo é o local das reuniões ritualísticas das Lojas maçônicas.

Antes de sua construção deverá passar por um ritual de lançamento e consagração da Pedra de Fundação, que é colocada sempre a nordeste.

Após a sua conclusão, passa por outra cerimônia, a de Sagração de Templo.

Deve ser desprovido de janelas ou aberturas pelas quais se possam ver ou ouvir o que se passa em seu interior.

No Rito Escocês Antigo e Aceito, que por ser o mais praticado no Brasil é utilizado como paradigma, o Templo tem interiormente a forma de um retângulo e é orientado do ocidente (entrada) para o oriente (fundo), ficando então o norte à esquerda (de quem entra) e o sul à direita.

A porta de entrada fica no meio da parede ocidental.

A parte oriental, privativa dos Mestres, fica a um nível de quatro degraus acima da ocidental e é separada desta por uma balaustrada aberta no meio, para comunicação.

A parte ocidental, por sua vez, tem o dobro do tamanho da oriental.

Os Aprendizes ocupam seus lugares no lado norte (esquerda de quem entra), os Companheiros no lado sul e os Mestres, conforme os cargos que ocupam, ao norte, sul ou oriente.

Representa o Templo de Salomão e simboliza o Templo Ideal, o Universo.

Contem em seu interior inúmeros elementos de profundo sentido simbólico e místico.

Como, ordinariamente, as reuniões maçônicas ocorrem uma única vez por semana, freqüentemente diversas Lojas fazem uso de um mesmo Templo, nos diferentes dias da semana.

Não é incomum que um edifício maçônico possua vários Templos, os quais são usados, em cada dia da semana, por diversas Lojas.

Além do Templo, o edifício maçônico necessita de outros espaços para a realização de seus rituais e atividades administrativas.

Alguns são imprescindíveis, outros necessários, desejáveis ou opcionais:

– Câmara das Reflexões (imprescindível) – Local utilizado unicamente na cerimônia de iniciação ao grau de Aprendiz.
Contém uma pequena mesa, um banco, utensílios para a escrita, sentenças morais, desenhos e elementos simbólicos;

– Átrio (imprescindível) – Sala que se encontra à entrada ou diante da porta do templo e onde os Maçons se concentram para vestir seus aventais e insígnias.
É no Átrio que começa a liturgia da sessão, com a formação do cortejo (procissão) para a entrada no Templo;

– Sala dos Passos Perdidos (imprescindível) – Local que antecede o Átrio e que serve como uma espécie de sala de espera, onde se aguarda o início da sessão e se recepciona os visitantes;

– Secretaria (necessário) – Local próprio para guardar e arquivar os documentos da Loja;

– Biblioteca (desejável) – Local próprio para guardar e catalogar os livros e demais publicações maçônicas; e

– Sala de Banquetes (opcional) – Local próprio, ao abrigo das vistas profanas, onde se possa realizar o Ritual de Banquete ou Loja de Mesa, cerimônia de comunhão entre os iniciados, geralmente realizadas nos solstícios de verão e de inverno e em outras datas comemorativas.

Fonte: Simbologia Maçônica dos Painéis (possui página no Facebook)